quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

A "Renascença Portuguesa": Pensamento, Memória e Criação

Após largos anos de espera, será finalmente apresentada a obra A "Renascença Portuguesa": Pensamento, Memória e Criação, publicada pela U.Porto Edições. A sessão de lançamento terá lugar no próximo dia 22 de Fevereiro, pelas 18:00, na Biblioteca do Fundo Antigo da Reitoria da Universidade do Porto. Este livro compila os textos apresentados no Colóquio Internacional Pensamento, Memória e Criação no Primeiro Centenário da ‘Renascença Portuguesa’ (1912-2012), realizado entre 29 Novembro e 1 de Dezembro de 2012, nas cidades do Porto e Amarante.  
A entrada é livre e aberta a toda a comunidade. 

(Clicar para ampliar.)

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Tertúlias de Cultura Portuguesa de 2018

As Tertúlias de Cultura Portuguesa estão de regresso à cidade do Porto. No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Dalila Pereira da Costa (1918-2012), personagem incontornável da cultura e do pensamento português - autora de obras como O Esoterismo de Fernando Pessoa, A Força do Mundo, A Nau e o Graal, Da Serpente à Imaculada, Introdução à Saudade, Portugal Renascido, Corografia Sagrada, As Margens Sacralizadas do Douro Através dos Vários Cultos, entre outras -, este ciclo de encontros não poderia deixar de lhe ser dedicado.
Organizadas por Joaquim Domingues, José Almeida e Pedro Sinde, através do MIL - Movimento Internacional Lusófono e da revista Nova Águia, as Tertúlias de Cultura Portuguesa têm uma periodicidade mensal, decorrendo entre os meses de Fevereiro e Novembro, no auditório do Palacete Viscondes de Balsemão, no Porto. 
À imagem das edições passadas, estes encontros reunirão alguns dos principais exegetas e pensadores da Cultura Portuguesa. Deste modo, entre a lista dos convidados poderemos encontrar os nomes de Abel de Lacerda Botelho, Alexandre Teixeira Mendes, Brunello Natale De Cusatis, Cynthia Taveira, Elísio Gala, Henrique Manuel Pereira, Joaquim Domingues, José Almeida, José Carlos Seabra Pereira, José Manuel Lello, José Rui Teixeira, José Valle de Figueiredo, Mafalda Ferro, Manuel Rezende, Maria João Pinto, Maria José Leal, Paulo Borges, Paulo Samuel, Pedro Jacob Morais, Pedro Sinde, Pedro Teixeira da Mota, Pinharanda Gomes, Renato Epifânio, Rodrigo Sobral Cunha, Rui Lopo, entre outros.
A primeira sessão terá lugar no próximo dia 17 de Fevereiro, às 14:30, no Palacete dos Viscondes de Balsemão. A entrada é livre e aberta a toda a comunidade. 

(Clicar na imagem para ampliar.)

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Livraria Lello, uma jóia que continua a encantar o mundo!

Fundada em 1906, a Livraria Lello é cada vez mais valorizada enquanto espaço nobre da cidade do Porto. Anualmente visitada por mais de um milhão de pessoas, esta livraria foi durante um século baluarte da alta-cultura portuense e portuguesa, tornando-se numa embaixada da cultura nacional. Associada a inúmeros escritores portugueses e estrangeiros, a Lello não é hoje a livraria de qualidade que foi em tempos. Mais comercial na sua oferta livreira, conserva, apesar de tudo, o espírito e a beleza análoga a uma História e tradição materializada na exuberância do seu corpo físico - o belíssimo edifício das ruas das Carmelitas. Noticiada em todo o mundo como uma das mais belas livrarias do mundo, ontem foi a vez do jornal italiano Il Primato Nazionale publicar uma peça sobre a nobre e singular livraria Lello & Irmão. Este artigo, da autoria de Guido Bruno e José Almeida, pode ser consultado através da seguinte ligação: goo.gl/S6GJax.  

(Clicar na imagem para aceder ao artigo.)

sábado, 15 de julho de 2017

Meus Olhos Dolorosos

Teixeira de Pascoaes, ilustração de Haylane Rodrigues.

Meus Olhos Dolorosos

A lua sobre um píncaro escalvado,
Teus olhos sob a fronte que os domina;
O sol morrendo, ao longe, aureolado,
Num fundo de pinheiros e neblina;

Um rio manso, lívido, parado
Na concepção da Névoa; cristalina
Veia, onde nunca um raio afogueado
Matou a sede trágica e divina;

Aparições de Deus e da Beleza,
Sb formas de Cousas e Criaturas,
Perseguem os meus olhos que, às escuras,

Choram como as crianças, na Tristeza
Criadora que é a Virgem da Agonia,
A Mãe piedosa e triste da Alegria.

Teixeira de Pascoaes